segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

VIDA DE FOTÓGRAFO POBRE

por "Lambe Lambe"

Como prometi, passo a descrever como foi meu fim de semana fotográfico. Sábado acordei as 8hs, tomei banho frio, tomei meu café com pão e manteiga, escovei os dentes, prendi meu vira lata (que se recusou a ser preso o que me obrigou a correr atrás dele) dei-lhe um angú como desjejum, o bicho devorou tudo com um sorriso nos cantos da boca.
Então me pus a fazer as tarefas caseiras, limpar o coco que o cão fez durante a noite, varrer o quintal, regar as plantas, etc.

Lá pelas 10 arrumei minha sacola fotográfica (daquelas do camelô), pus minha velha Praktica e meu velho flash Mirage dentro, enchi o pneu de minha velha bike (Philips Made in England) herança de meu pai e fui a luta, neste sábado haveria batismo na igreja perto de casa, lá cheguei e me pus na porta da igreja com caderninho na mão e máquina pendurada no pescoço, outro fotógrafo conhecido chegou, combinou comigo o preço e se colocou ao lado do altar.

Algumas pessoas perguntaram o preço, mas confirmar foto que é bom nada, no final, só bati duas chapas e mesmo assim só na hora do batismo pois a maioria estava de Xereta em punho e só bati a foto na hora do batismo porque não tinha ninguém para segurar a máquina deles, ainda teve gente que teve a audácia de pedir que batesse a foto com a máquina deles. pode?.

Lá pelas 13hs cansado de esperar voltei para casa com a barriga roncando, a patroa já estava batendo o pé de impaciência.

A tarde depois de uma leve soneca, peguei de novo minha byke e depois de alguns quilômetros pedalando, visitei clientes inadimplentes e outros, entregando fotos em várias casas, ruelas sem calçamento, com valas negras, etc. Consegui entregar algumas fotinhas e até receber uns atrasados, mas como sempre alguns clientes mandaram voltar outro dia, (volta fim do mês) para receber R$4,00, R$8,00, putz! outros nem estavam em casa o que me obrigará a voltar outro dia, mas enfim minha vida é assim mesmo.

A noite prometia ser melhor, tinha uma festa programada de 1 aninho, coloquei meu novo casaco de fotógrafo glamoroso, cheio de bolsos, parecia até o João Medeiros da novela das 7. Cheguei a casa do aniversariante as 7 como tinha pedido a mãe da criança, mas ainda estavam na arrumação e eu tive que ajudar a arrumar a mesa ainda, que droga.

Lá pelas 8 aconteceu uma coisa comigo que nunca ocorreu antes numa festa, deu uma tremenda dor de barriga. Eu vendo que não dava para esperar pedi a mãe do aniversariante para ir a o banheiro.

Lá chegando fiz um estrago, mas então descobri que a descarga estava com defeito, que droga, se tivesse uma plaquinha escrito "INTERDITADO" colocava na porta do banheiro, então fui ao tanque do lado de fora enchi um balde de água e voltei rapidinho para dar uma aliviada no clima, mas quando cheguei na porta do banheiro com o balde na mão, lá já haviam 3 gatas se penteando e maquiando no espelho, putz... Sente só o clima, as 3 me olhando e eu com uma cara de babaca segurando o balde de água, que vergonha, se tinha pretensões de bancar o gostoso com as menininhas, podia tirar o cavalo da chuva.

De volta ao quintal onde a festa estava iniciando, fiz algumas fotinhas do menino com o bolo, com os pais, etc, e me coloquei de lado para esperar o momento das outras fotos.

O som estava a toda a altura, mas que coisa, festa de criança e não toca musica de criança? O som que tocava a toda altura era o tal do Funk, argh, odeio funk, mas tive que aguentar sorrindo aquelas "dança da motinha" "tigrões", etc.

Lá pelas 10 a festa estava muvucada, uma multidão enchia o quintal, umas lonas estavam esticadas, pois estava caindo uma chuvinha e o chão era de terra batida, foi então que o pai da criança veio me oferecer um pratinho de maionese e um refrigerante, ufa, não era sem tempo, estava cheinho de fome. Enquanto batia papo com o pai da criança, um negão fortão, comecei a comer a maionese e arghh, que gosto de estragado, o refrigerante era o tal de Tubaina ou Convenção, de UVA, gosto horrível, parecia que estava cheio de pó, Kisuco, mas como o pai da criança estava ali ao meu lado sorrindo, comi tudo assim mesmo pensando: "Amanhã eu morro". Nesta hora pensei em meus colegas fotógrafos da Photoartlist, PRINCIPE, ERLICH, GAMBA, BELTRÃO, ARMANDO, PORÃO, Etc.... A estas horas também eles deviam estar em festas, mas não como fotógrafos e sim como convidados, saboreando salmão, caviar, bebericando altas champanhes, Whiskys bala 12, altas gatas, etc. Ai ai, isto sim que é vida, um dia ainda chego lá.

Lá pelas tantas uma menina até bonitinha se aproximou de mim e disse que participaria de um evento e precisaria de um fotógrafo, "Opa", pensei eu, "O bom destes lugares é que um trabalho puxa o outro." A menina me explicou que era um churrasco com pagode altas horas da noite em Vila Vintem, tremenda favela território do famoso "Celsinho da Vila Vintem", que fria, putz de novo. Então dei aquela desculpa esfarrapada que sempre uso nestas ocasiões: "Xi menina que azar, o dia está já ocupado".

Finalmente o bolo foi cortado lá pela meia noite, mas a festa continuou até altas horas e segundo me contaram depois, a festa só acabou quando a porrada comeu solta entre os tios da criança e uns penetras.

Encerrei então as 12 fotos que fui contratado para tirar, peguei meus 50% de adiantamento, R$ 25,00. O pai do aniversariante, me convidou para tomar um qualquer, para não fazer desfeita aceitei, então tomamos um "rabo-de-galo" também conhecido pelos granfas como "cock-tail", então desceu um pratinho com uns salgadinhos encharcados em óleo e papo vai papo vem, tomamos uma meia dúzia de Cerpas geladas. O negão é muito maneiro, se o tivesse conhecido antes, não teria comido aquela maionese estragada do começo da festa.

Logo após, por volta das 12:30 sai da festa, pedalando feliz minha inseparável Phillips, com o senso do dever cumprido e os bolsos do colete cheios de brinquedinhos e uma fationa de bolo para as crianças. Mas a rua estava escura, estava caindo um sereninho e também já estava meio torto, não enxerguei bem e meti a cara num buraco, resultado: Um pneu furado, então tive que fazer o resto do caminho a pé empurrando minha byke.

Ao chegar em casa, lá por volta da 1 da matina e dar comida para o cão, que estava morto de fome, a patroa veio abrir a porta e me disse na cara. Tú não vai trabalhar, tú vai é se divertir. É mole isto?

Mas domingo descontei, levei a família para a padaria da esquina, com o dinheiro ganho na noite anterior, mandei descer 2 galetos e 2 litros de Pepsi, fizemos a festa, a criançada ficou satisfeita e a patroa sorrindo muito, afinal não teria que lavar a louça do almoço.

Um dia ainda ganho na loto!

Abraços !

* Lambe-Lambe é um fotógrafo anônimo, ninguém sabe quem é ele, nem se suas estórias são verídicas, mas que são engraçadas, isso são !

Um comentário: